Gestão 3.0 – Para Líderes Ágeis – Parte 2

 

Olá Pessoal.

Este é o segundo post de uma série de post's que estou fazendo, em formato de resenha. Como partida, estou lendo o livro Management 3.0 Leading Agile Developers, Developing Agile Leaders e sintetizando ele aqui. Confira aqui a parte 1. 

 

Teoria dos sistemas complexos


A teoria dos sistemas complexos é uma teoria advinda da matemática que se concentra em entender porque alguns tipos de sistemas são estáveis e porque alguns outros tipos não são. Levando para o campo de desenvolvimento de software a referida teoria nos ajuda a explicar porque alguns projetos são estáveis e porque outros não são.

Desenvolvimento de software pode ser visto como um sistema complexo adaptativo, onde as intensas interações e feedbacks fornecem oportunidade de melhoria aprendizado e conhecimento.

MULTIDISCIPLINARIDADE 

A ideia de segregar pessoas que fazem trabalhos diferente oferece um impacto negativo à performance da organização. Esse tipo de segregação promove silos/feudos funcionais que dificultam a comunicação e a amplificação do aprendizado e conhecimento na dimensão ontológica da organização (veja a teoria da criação do conhecimento).  Corroborando com os princípios do manifesto ágil, a teoria da complexidade também é a favor da formação de equipes multidisciplinares.

O CORPO DE CONHECIMENTO DE SISTEMAS

Não há uma única definição genérica para explicar a complexidade, cada sistema é diferente, peculiar e por vezes suas definições são  complementares, as vezes sobrepostas e as vezes contraditórias. No entanto, existem vários estudos que se concentram em diferentes áreas e que trouxeram uma contribuição significativa para o campo dos sistemas complexos: Entre esses estudos estão: a teoria evolucionária (evolutionary theory), a teoria dos jogos (game theory) a teoria do caos (chaos theory), a teoria dos sistemas dinâmicos (dynamical systens theory), entre outras. A figura abaixo apresenta o corpo de conhecimento de sistemas. 

 

SIMPLICIDADE: UM NOVO MODELO

“Simplicidade normalmente está relacionada com peso (o quão difícil é) para alguém tentar explicar ou entender algo. Qualquer coisa que é fácil de entender ou explicar é simples, em contraste com algo complicado.”

Antes de discutir simplicidade, faz-se necessário entender cada terminologia abaixo:

  • Simples: fácil de entender
  • Complicado: muito difícil de entender
  • Ordenado: totalmente previsível
  • Complexo: um pouco previsível (mas com muitas surpresas)
  • Caótico: completamente imprevisível

Na literatura, alguns modelos diferenciam a referida terminologia, como os modelos de David Snowden, que descreve um modelo contendo quatro domínios(simples, complicado, complexo e caótico) e modelo de Ralph Stacey que cria algo similar. Ele mostra o simples, complicado, complexo, e caótico, como quatro áreas com base em duas dimensões: o grau de concordância e o grau de incerteza.

 A NOVA ERA: PENSAMENTO COMPLEXO (COMPLEXITY THINKING)

Quando você aplica a teoria de sistemas complexos (complex systems theory) em desenvolvimento e gerenciamento de software, você está tratando sua organização como um sistema.

A dinâmica do sistemas(System dynamics) –  não confunda com a teoria dos sistemas dinâmicos(dynamical systems theory), foi uma das primeiras técnicas criadas para mostrar como eventos aparentemente simples podem causar comportamentos inesperadas na organização.

A System dynamics percebe a organização como uma estrutura interligada e mutuamente dependente das partes. A System dynamics tem ajudados os gestores à melhorar sua compreensão dos processo de negócio. 

Uma outra técnica similar é chamada de pensamento sistêmico (systems thinking), popularizada no livro The Fifth Discipline (que também pretendo fazer resenhas dele aqui no blog :) ).  Essa técnica aborda o entendimento de como o pensamento influencia o outras partes como um todo e defende que o primeiro passo para se tornar uma organização de aprendizagem é ela compreender, como um sistema holístico, o que ela faz e como realmente faz.

O estudo da complexidade em sistemas sociais é chamado de complexidade social (social complexity). A complexidade social é o estudo de grupos sociais em sistemas adaptativos complexos. 

System dynamics e systems thinking percebem a não linearidade, mas eles ainda partem da ideia que, de alguma forma, a alta gerência constrói o "tipo certo" de organização que produz o "tipo certo" de resultado. Entretanto, atualmente os gestores percebem que para gerenciar a complexidade social, eles precisam entender como as coisas "emergem" e não como elas são "construídas". O modelo de gestão 3.0 aplica o pensamento complexo (complexity thinking) e assume que os gestores não podem construir nem dirigir uma equipe auto-organizada. Em vez disso, a equipe deve emergir naturalmente. O modelo reconhece que organizações produtivas não são gerenciadas dirigidas por modelos e planos. Em vez disso, deve emergir através do poder da evolução da auto-organização.

Obs: Para mim esses assuntos são complicados. Portanto, sinta-se a vontade para criticar, corrigir ou acrescentar valor  nos comentários. 

Exibições: 170

Comentar

Você precisa ser um membro de PanGea para adicionar comentários!

Entrar em PanGea

Badge

Carregando...

© 2018   Criado por Adriano Tavares.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço